Rimbaud e os Beatniks

Beat Generation

Por estar na vanguarda da literatura de seu tempo, o poeta francês acabaria influenciando outras gerações de escritores anárquicos, como os integrantes da Beat Generation

Os Beatniks invadiram Brasília e por aqui vão ficar até agosto, bem ali, no CCBB, com muitos filmes raros, alguns inéditos, sobre a trajetória do movimento literário que ajudou a formatar, com seus escritos iconoclastas, rebeldes, ousados e contestadores, uma sociedade menos careta, mais moderna. Eu mesmo já estive lá no espaço e conferir alguns títulos.

Mas aqui estou não para falar de uma forma bem rasa, diga-se de passagem, dos beatniks no cinema, mas deles na poesia. Quer dizer, de como a poesia e o estilo de vida mambembe de Rimbaud influenciou a literatura Beat ao dar vazões aos seus fluxos de consciência. Um estilo que reverberou no caminho do rock como bem mostrou Bob Dylan, Jim Morrison, Tom Waits e tantos outros.

O poeta, essa figura de alma rebelde e insana, é apenas um instrumento de tráfico para o leitor com o registro de suas ideias, impressões e sensações. Um truque que Rimbaud adotou e soube utilizar como poucos, influenciando de forma marcantes figuras como Jack Kerouac, Allen Ginsberg e William Burroughs.

“Creio que há muitos Rimbaud neste mundo, e que seu número crescerá sempre”, previu o escritor maldito Henry Miller, um discípulo do poeta francês.

E Rimbaud tem seu nome associado ao movimento beat por ser um artista de vanguarda da literatura ao questionar o padrão vigente desse segmento artístico. Assim como o autor de Uma Estadia no Inferno, os beatniks chegaram para quebrar regras, tabus, mexer com o stablishment da cultura nos anos 50 na América. Aquilo que o pesquisador Octavio Paz em Os Filhos do Barro chamou como a “tradição da ruptura”.

O mago da comunicação Marshall McLuhan certa vez disse que a ideia da cidade como extensão do sistema nervoso humano de Rimbaud influenciou a narrativa de William Burroughs em sua obra-prima, O Almoço Nu. Vale lembrar que os primeiros experimentos de Burroughs com a técnica cut-up foram feitas usando trechos de Iluminuras de Rimbaud, o famoso livro de poesia do poeta francês lançado em revista em 1886.

Sem Rimbaud não existiria a Beat Generation, muito menos Bob Dylan e Jim Morrison, nem mesmo Kurt Cobain.

* Este texto foi escrito ao som de: Nevermind (Nivarna – 1991)

Nevermind

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s