As Três Irmãs – Anton Tchekhov

As Três Irmãs

Enquanto você está lendo este tempo, os atores da foto acima encenam essa montagem de clássico texto dramatúrgico russo no Rio de Janeiro

Pois é, terminando de ler a peça, As Três Irmãs, do russo Anton Tchekhov, e fingindo que estou gostando só para parecer inteligente. Mas a verdade é que o texto é de uma chatice ululante. Na dúvida, leia os clássicos, é o que sempre defendo, no entanto essa clássica obra do contista e dramaturgo russo, como diz a raposa do Pequeno Príncipe, não me cativou. Talvez porque o texto teatral lido, não tenha a mesma emoção, intensidade do que sua encenação.

Autor de 14 peças, Tchekhov, médico de profissão, demorou ter confiança nos textos que escrevia para os palcos. A valer pelos incentivos que conquistou no começo de sua carreira como dramaturgo, ele até que foi persistente. “Sabe, não consigo tolerar Shakespeare, mas suas peças são piores”, comentou o colega de pena, Tolstoi, numa sinceridade agressiva.

As três irmãs do título são Olga, Irina e Macha, que sonham em voltar para Moscou, depois de anos morando no interior com o irmão Andrei. Essa chance pode se concretizar – mesmo com a rotina árdua que levam -, após chegada de um destacamento à região. Isso porque o comandante e dois de seus oficiais flertam com as meninas. Detalhe, duas delas casadas. Nas entrelinhas dessas relações perigosas, os mistérios da natureza humana.

Escrita em 1900 e encenada um ano depois, o texto da peça é maçante e chato. Talvez eu esteja perdendo alguma coisa a mais nessa observação realista que ele faz do cotidiano burguês de seu tempo. Mas a princípio, foi difícil de vencer os quatro atos dessa montagem que é tida como um dos clássicos do autor.

Bom, contemporâneo de Dostoiévski e Tolstoi, responsável por ter alterado os rumos da prosa moderna, Anton Tchekhov não me convenceu aqui. Qualquer dia desses, tiro o livro de contos dele que tenho em minha estante mágica e faço minhas pazes com esse médico que abraçou a carreira literária com fervor com que atendia seus pacientes. “A medicina é minha legítima esposa; a literatura é apenas minha amante”, admitiu certa vez.

* Este texto foi escrito ao som de: Are You Experienced? (The Jimi Hendrix Experience – 1967)

Jimi Hendrix

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s