Maravilhoso Boccaccio (2015)

Boccaccio

Belíssima adaptação dos irmãos Paolo e Vittorio Taviani das clássicas histórias de Boccaccio mostram que, mais do que sexo, o autor falava sobre a vida

A obra do escritor Giovanni Boccaccio (1313 – 1375) está bastante associada à sacanagem e essa impressão até tem, sim, um pouco de verdade, não fosse o sexo apenas pano de fundo para o autor italiano da célebre coleção de textos, Decameron, discutir sobre temas mais pertinentes como o amor, a ganância, o desejo, a vida e a morte. Uma prova disso está nessa soberba adaptação dos irmãos Paolo e Vittorio Taviani para o cinema.

Enquanto o polêmico e anárquico cineasta Pier Paolo Pasolini optou pelo caminho do erotismo e do sarcasmo, na sua versão de 1972, aqui o que se vê é uma abordagem mais contemplativa e pura do discurso do escritor italiano que vivenciou de perto os horrores da peste negra na Idade Média. Na trama ambientada em Florença, um grupo de jovens consegue se libertar desse clima soturno de morte constante e se esconder no campo.

Ali, diante daquela visão bucólica, eles vivem como se fosse uma família, passando o tempo contando histórias entre si. A ideia, bem mais do que de entretenimento, tem a ver com o medo iminente. Os relatos, deliciosos, são recheados de sabor farsesco e morais. Como aquele do marido negligente que perde o direto de amar a esposa quando ela é salva por um amante apaixonado.

Noutra história, um bobão da vila é ridicularizado quando deixa a cegueira da ganância o conduzir para uma mentira sobre invisibilidade por meio de uma pedra mágica. E tem aquela das irmãs de um monastério que esconde o desejo da carne por trás de um muro de hipocrisia. Mas o melhor de todos os episódios é aquele do caçador que sacrifica o seu melhor amigo, o falcão que carrega sempre em seu ombro, em nome de um grande amor.

O belo visual do filme, norteado por cores fortes e vibrantes em meio a um cenário bucólico, contrasta com o ambiente de dor e perda que anuncia nas cenas iniciais do filme, como aquela em que um sujeito cheio de feridas se joga do alto de uma catedral ou um pai de família é enterrado vivo com seus mortos. Mas, apesar de todo essa sombra, Maravilhoso Boccaccio é conduzido por uma luz de esperança e amor, enfim, na crença pela vida.

* Este texto foi escrito ao som de: Amnesiac (Radiohead – 2000)

Amnesiac

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s