Do Outro Lado do Paraíso (2016)

Do Outro Lado do Paraíso

Filme baseado em livro de Luiz Fernando Emediato traz emocionante história de amor entre pai e filho em tempos de crise social

Baseado em livro do jornalista e escritor Luiz Fermando Emediato, “Do Outro Lado do Paraíso” abiscoitou sete prêmios na mostra paralela do Festival de Cinema de Brasília. Não concorreu na mostra competitiva porque já tinha sido exibido em Gramado, barrado numa regra boboca sobre ineditismo do evento brasiliense. Do contrário, tinha levado, no mínimo, o prêmio de Melhor Direção do pleito principal.

Estrelado por Eduardo Moscovis e o jovem ator, Davi Galdeano, o belíssimo filme estrelado por André Ristum fala sobre esperança. Em tempos de crise política e clima caótico no país, nada mais pertinente. Sobretudo porque o filme, que se passa na época do Golpe de 64 no Brasil, é bastante atual, infelizmente. Sim, golpe há 50 anos atrás e golpe nos dias de hoje.

Antônio (Moscovis) é um homem simples do interior de Minas que acredita no país e busca o paraíso na Terra. Um dia ouvi falar de uma nova cidade que está surgindo no Planalto Central e ele não vacila. Troca a casa por um caminhão e segue com a família para essa tal de Brasília. É o ano de 1963 e ele nem imagina que forças ocultas estão na espreita. “Todo mundo tem o direito de tentar uma vida melhor”, argumenta contra a resistência do sogro (Jonas Bloch).

São anos de polarização política, direita x esquerda, Azul retrógrado x os comunistas vermelhos na disputa pelo poder, reformas de base e justiça social. Logo Antônio irá arranjar encrenca com os militares, vai preso e o sonho de uma vida melhor se esvai como a página rasgada de um livro sem final feliz.

Produção mais cara do Distrito Federal, Do Outro Lado do Paraíso traz uma direção segura e tocante de André Ristum, que apresenta uma história emocionante sobre relações familiares em tempos de crise social, sem cair no sentimentalismo rasteiro. Com fotografia linda, som impecável, o filme mostra ainda competente trabalho de reconstituição de época de uma Taguatinga ainda dando seus primeiros passos como uma cidade é perfeita, assim como as interferências documentais garimpadas em diversos arquivos do país.

Eu, se fosse você, não deixava de ver ess preciosidade sobre uma parte dos primórdios de Brasília…

* Este texto foi escrito ao som de: Rosa dos Ventos – O Show Encantado (Maria Bethânia – 1971)

Rosa dos ventos

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s