Rock Estrela (1986)

Rock Estrela

Malu Mader, Diogo Villela e a jogadora de vôlei, Vera Mossa, trio protagonista do musical dos anos 80

Os anos 80 foram marcados pelo domínio do rock nacional, mas ele não ficaria restrito apenas à seara musical, como mostra muitas produções cinematográficas da época. Rock Estrela, de Lael Rodrigues, exibido outro dia no Canal Brasil, dentro da Mostra Cine Pop – Anos 80, é uma prova dessa sinergia contagiante.

Parte da trilogia do diretor sobre o “Rock Brasileiros dos anos 80” – do qual fazem parte ainda Bete Balanço (1984) e Rádio Pirata (1987) -, o filme traz no DNA a essência das produções cariocas da época com sua pegada jovem calcada no som de bandas que estavam estourando nas rádios pelo país afora. Além dos filmes citados, vale lembrar ainda, Menino do Rio (1981), Garota Dourada (1984), Areias Escaldantes (1985), entre outros.

Uma produção Brasil/Argentina, Rock Estrela é, na essência, um musical com cara de clipão contando a história de Roque (Diogo Villela), um músico clássico que, depois de 10 anos vivendo em Buenos Aires, na Argentina, se deixa enfeitiçar pelo rock nacional após trocar a namorada de infância (Malu Mader), pela jogadora de vôlei Vera (Vera Mossa).

“Olha só, eu, Beethoven e Villa-Lobos destetamos esse tal de rock. É uma música sem passado!”, esbraveja ele para o primo Tavinho, Léo Jaime, no auge da carreira entre ator e astro de rock.

O roteiro do filme, também escrito pelo diretor Lael Rodrigues – que chegou a estudar arquitetura na UnB e morreu jovem, aos 30 e poucos anos, vítima de uma doença – é meio nonsense, inundado de gags surrealistas pop só para encaixar sucessos como Olhar 43, do RPM, uma febre terça no cenário musical da época, e Johnny Love, da banda paulista Metrô, mas funcionou.

Além de Diogo Villela e Malu Mader, outros rostos do cinema e da televisão brasileira como Guilherme Karan e Andréa Beltrão, que paga geral de deliciosos peitinhos de fora, dá o ar da graça. Autêntico registro de seu tempo, o filme, gravado boa parte na badalada boate carioca Mamute, traz piadas ousadas sobre a ditadura militar e de fenômenos dos anos 80 como o clipe de Thriller, de Michael Jackson, e do personagem Rocky Balboa, de Sylvester Stallone.

Será que foi aí que começou o flerte da Malu Mader com o maridão, Tony Belotto, guitarrista do Titãs?

* Este texto foi escrito ao som de: Olhar (Metrô – 1985)

Metrô - Olhar

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s