Um deus ucraniano do esporte

O ex-atleta ucraniano Serguei Bubka é homenageado em Brasília...

O ex-atleta ucraniano Serguei Bubka é homenageado em Brasília…

Que seja dito a verdade. O esporte, em todas as modalidades, já não é mesma coisa. E nem os esportistas também. Por causa do vil metal, anda tudo banalizado. Peguemos o caso, por exemplo, dos jogadores de futebol, tudo um bando de mascarados que só querem saber de ganhar dinheiro e se promoverem a custa de bobagem. Mas, bem ou mal, alguns atletas olímpicos ainda causam frenesi por onde passam. Caso raro do recordista mundial de salto com vara, Serguei Bubka, um dos homenageados da exposição Esporte movimento, em cartaz na Caixa Cultural até abril.

Ídolo olímpico de toda uma geração, o ucraniano recordista mundial foi um dos maiores saltadores com vara de todos os tempos, colecionando, ao longo de uma carreira gloriosa, vários feitos. Junto com jamaicano Ben Johnson e sei lá, o norte-americano Michael Phelps, tem sido um dos meus ídolos olímpicos. Ídolo de toda uma geração. E ele estava bem ali, com um inglês impecável, falando sobre a importância dos jogos olímpicos, dos jogos paraolímpicos e do esporte em si. Uma lenda e de uma simplicidade ímpar.

Aos 51, Bubka tem muito que contar desde que abandonou o atletismo em 2001, aos 37 >>>ANSA/SOCHI: SBARCA FIAMMA OLIMPICAanos. Na época em que começou a assombrar o mundo com seus feitos, o cara trazia no peio o emblema da antiga União Soviética, ou seja, os icônicos martelo e foice. O salto para a fama ocorreu em 1983, em Helsinque, na Finlândia, quando participou do primeiro campeonato mundial de atletismo ao saltar uma altura de 5, 70 m.

A consagração mundial bem que poderia ter acontecido nas Olimpíadas de 1984, nos Estados Unidos, não fosse a Guerra Fria entrar em cena e fazer com que a rival U.R.S.S. boicotasse os jogos. Contudo, com a paciência dos justos, ele esperaria quatro anos para brilhar soberanamente na categoria em Seul, Coréia do Sul.

Por tudo isso, pela imagem de herói olímpico que habitava em minhas memórias de infância, com sua vara mágica saltando recordes e mais recordes em torneios mundo afora que, me esquecendo do protocolo, me deixei emocionar. Desta vez lágrimas não rolaram, mas um frêmito cheio de emoção dançando por debaixo da carne. Transitando com imponência e beleza atlética por entre medalhas, tochas e outros apetrechos esportivos pelos corredores da exposição, Esporte movimento na Caixa Cultural, Serguei Bubka parecia um deus grego. Ou melhor, um deus ucraniano do esporte…

* Este texto foi escrito ao som de: Greatest hits (Queen – 1994)

Queen Greatest Hits

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s