Gata velha ainda mia (2014)

Sem maquiagem, completamente de cara limpa, Regina Duarte encarna atriz decadente

Sem maquiagem, completamente de cara limpa, Regina Duarte encarna atriz decadente

Houve um tempo em que ela reinou soberanamente como a eterna namoradinha do Brasil. Hoje, aos 67 anos, Regina Duarte é a grande dama da televisão brasileira, com quase 50 papéis realizados em novelas, seriados e minisséries. Até hoje tenho vivo na memória a atuação marcante dessa atriz de talento ímpar como a honesta, guerreira e barraqueira Raquel Accioli, que duelava shakespearianamente na trama com a filha Maria de Fátima (Glória Pires), na inesquecível novela Vale tudo. Mas foi como a exótica e espevitada viúva Porcina, de Roque Santeiro, que ela conquistaria de vez seu espaço nas telinhas.

Nas telonas, o único filme que eu tinha assistido com a atriz, até então, era o clássico, A Compadecida (1969), uma das primeiras adaptações para o cinema – senão a primeira -, da obra-prima de Ariano Suassuna O Auto da Compadecida. O papel dela na fita? Ora, ninguém do que Nossa Senhora.

Outro dia pesquei no Canal Brasil o suspense Gata velha ainda mia, longa de estreia do ator e autor de teatro Rafael Primot. Confesso que a motivação para ver o mais recente trabalho da atriz no cinema foi uma matéria que li no meio do ano na Folha de S. Paulo sobre o filme que trazia uma entrevista interessante com a diva.

Gata velhaSem maquiagens, completamente de cara limpa em cena ela vive Gloria Polk, uma outrora escritora de talento que há 17 anos não ver publicado uma linha de seu trabalho. O ostracismo parece ser voluntário, embora ela reclame o não reconhecimento do talento e sucesso do passado. “Nossos sonhos foram sendo roubados pelo tempo”, lamenta.

Amarga, reclusa e antipática, finalmente ela aceita em dar uma entrevista a uma jornalista (Bárbara Paz) que mora no mesmo prédio dela. Mas o que era para ser um encontro cordial e agradável regado a um bom vinho, comida suculenta e temas como carne de girafa, sonhos eróticos, Oriana Fallaci e a “imbecilização” das novas gerações pela tecnologia se transforma em momentos de bizarrice e revelações que caberá ao público assimilar e refletir.

“Eu não sou uma personagem sua”, se apavora Carol, a jornalista que parece saber bem mais do que pede a profissão e esconder segredos que pode surpreender o espectador.

Orçado em R$ 150 mil, Gata velha ainda mia é um filme pequeno que aposta na força das palavras encaixadas num roteiro que explora ao máximo os demônios das duas personagens em cena. Demônios e dramas pessoais esses potencializados por atuações marcantes das duas atrizes, que duelam de forma sadia pelo papel como se fossem gatas brigando pelo mesmo peixe dentro de uma lata de sardinha, no caso aqui, o apartamento de Gloria, cenário onipresente do filme do começo ao fim.

O título, claro, faz referência à adaptação teatral para o cinema, Gata em teto de zinco quente (1958), aquela em que a diva Liz Taylor e Paul Newman vive um casal em crise que, o tempo todo, cospe suas agruras, rusgas e desabafos um em cima do outro. A homenagem também resvala no turbilhão de diálogos demolidores e ácidos despejados pelas duas atrizes, mas bem que o diretor (que assina o roteirista) poderia deixar de lado alguns clichês e piadas desnecessárias, como aquela em que brinca com a famosa frase de Gloria Swanson em Crepúsculo dos deuses, do mestre Billy Wilder.

Ah, sim, e alguém aí, por favor, me explica aquele final pretensioso e moderninho por que passei batido. É irritante essa mania dos novos cineastas têm de criar climas pseudo sofisticados. Sugiro que eles deixem essa parte para os atores, sobretudo quando têm no elenco alguém da envergadura de uma Regina Duarte.

* Este texto foi escrito ao som de: In the Summertime (Mungo Jerry – 1970)

Mungo jerry 2

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s