Porque não acredito em políticos

Achei a Marina Silva Sincera no JN, mas não voto nela e nem em mais ninguém

Achei a Marina Silva Sincera no JN, mas não voto nela e nem em mais ninguém

Em países como Japão e Coréia do Sul, o que mais se vê é político pedindo desculpas pelos erros e falhas que cometeram. Outros, mais radicais, até cometem suicídio por conta de algo que eles têm de sobra e que aqui está em falta que é: vergonha. No Brasil, o país da esculhambação geral, é justamente o contrário. Ou seja, quanto mais sujo, canalha e mala o sujeito for, mas o povo gosta e o cara tem credibilidade. É não deixa de ser irônico e nebuloso que, logo na capital do país, no coração do Brasil, o centro das grandes e mais importantes decisões políticas, tudo seja uma patuscada geral.

“Quando a gente não pode fazer nada a gente avacalha”, diz o personagem-título de o Bandido da luz vermelha, clássico de Rogério Sganzerla.

Tomemos como base o hediondo caso de José Roberto Arruda. Um dos políticos mais inelegíveis do país, por conta de seu passado de corrupção e sujeira e, no entanto se, o STF não brecar o cara, corre o risco de ele ganhar no primeiro turno e com folga. Políticos como Arruda deveriam ser extintos do mundo da política e porque não da face da terra. Mas não, o cara é tratado como um rei do pedaço e daí vira essa bagaceira toda. E fazendo escola.

Sim, porque o secretário de saúde do GDF Rafael Barbosa, assim como o seu chefe, o governador Agnelo Queiroz, foi umharakiri poço de incompetência em sua gestão, mas agora briga por uma vaga na Câmara dos Deputados. Se tivesse óleo de peroba em casa, diante da péssima administração que fez, pediria para ir ali no matinho e não voltava mais. E pior é que, tantos outros como ele não fizeram nada em prol da comunidade e continua insistindo em morder o osso. De modo que, a impressão que fica é que, no Brasil, político bom é político marginal.

Bom, vi a entrevista da Marina Silva no Jornal Nacional. Primeiro queria dizer que achei a postura do almofadinha do William Bonner e da boneca Patrícia Poeta, arrogante. Sempre é, de modo que não sei porque insisto em assistir os dois em ação. Mas enfim, falando da Marina, achei a candidata do PSB convincente e sincera, mas não vai ganhar o meu voto. Nem ela e nenhum outro e por um motivo muito simples. São todos farinha do mesmo saco. Até mesmo a Marina Silva que, com aquela cara de retirante do outro lado do além-mundo, acaba se rendendo ao sistema. É isso mesmo. No final das contas, todos acabam se corrompendo porque, como disse o Rousseau: “O homem nasce naturalmente bom, mas a sociedade o corrompe”.

E isso serve para mim, para você é para o seu Zé do picolé ali da esquina. A política no Brasil é um caso perdido. Sempre foi.

* Este texto foi escrito ao som de: Na loucura e na lucidez (Tatá Aeroplano – 2014)

Tatá Aeroplano

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s