O tempero da vida (2003)

No filme o pequeno Fanis tem ensinamentos de culinária e sobre a vida com o avô

No filme o pequeno Fanis tem ensinamentos de culinária e vida com avô

Todo mundo que gosta de escrever sobre culinária ou se aventurar na cozinha atrás de um avental, deveria ver, pelo menos uma vez na vida, a comédia dramática turco-grega, O tempero da vida (2003), que está dando sopa no Telecine Cult este mês. Nem sei se o filme é bom do ponto de vista técnico, mas, apesar do melodrama excessivo, acho que a fita tem uma temática lírica tocante sobre o universo gastronômico. É a história de Fanis (Georges Corraface), um astrofísico que recorda toda a infância que passou ao lado do avô, um filósofo culinário especialista em temperos e condimentos na hipnotizante Istambul. O velhinho simpático e faceiro agora está nas últimas e ele, num processo remissivo proustiano, recorda com lágrimas e risos, não apenas todos os segredos da cozinha turco-grega que aprendeu com o grande amigo, mas também o sabor da vida e o gosto dos outros.

“Tenho medo de certos sons pouco antes de uma refeição. Por trás de cada grande evento da minha vida estava o som da campainha ou do toque do telefone”, diz o nosso narrador-protagonista, quando recebe a notícia da doença do querido “baboo”. “Na cozinha de Istambul você sempre tem a sensação de algo está faltando e não me refiro à comida, mas as pessoas”, lamenta, ele, que também acaba virando um excelente chef.

De repente, esse momento triste da sua vida o faz lembrar quando brincava enfurnado no armazém do velho, cercado de todos os ingredientes e sabores necessários para preparar um bom prato, mas também a complexa natureza humana. As armadilhas do primeiro amor, as contradições políticas e religiosas de seu país, o tempo todo em crise com os vizinhos gregos e cipriotas. Para todos os defeitos, O tempero da vida não deixa de ser um filme político e crítico a uma lamentável situação que marcou a vida desses três povos tão próximos, mas de origens e identidades. É um filme, sobretudo, que fala sobre raízes, identidade e patriotismo.O tempero da vida

“Os turcos nos mandaram embora com ‘gregos’”, recorda Fanis, lembrando uma das várias crises políticas que presenciou. “Fui impedido por algum tanque”, ironiza, quando perguntado por que levou tanto tempo para voltar para casa.

E, em se tratando de um filme em que a comida é um personagem, boa parte da trama os atores estão envoltos numa mesa cheia de deliciosos quitutes que surgem também como metáforas para a vida. Aliás, a narrativa foi construída em forma de um delicioso menu de dar água na boca. “Assim como o sal, fale sempre de coisas que as pessoas não podem ver”, ensina o avô sábio. “Usar às vezes um tempero errado pode provar outro ponto de vista”, continua.

Baseado nas memórias do diretor Tassos Boulmetis, nascido em Istambul, O tempero da vida, numa primeira e rápida impressão, até parece uma daquelas barulhentas comédias italianas com muito humor, tragicomédias familiares e comida a rodo entre uma cena e outra, mas trata-se de um autêntico filme turco-grego. “Aqui as almas se abrem como mexilhões no vapor!”, explica um dos personagens, no famoso banho turco.

Apesar do final conservador e do melodrama excessivo, o filme é bem delicioso de se ver. Daquelas fitas que faz a gente sair da sessão e comer em um bom restaurante ou colocar o avental e se perder na cozinha. “Na nossa cozinha, a sobremesa é o epílogo de todo o conto de fada”, diz agora o já maduro Fanis.

Que assim seja.

* Este texto foi escrito ao som de: On the greek side of my mind (Demis Roussos – 1971)

demis Roussos

Anúncios

2 comentários sobre “O tempero da vida (2003)

  1. Querido Lúcio!
    Ando bem sumida, né! É que passei em um concurso público, para um órgão do ciclo de gestão, e calhei de cair na área de licitações e contratos…. nem preciso dizer mais nada neam?
    Adorei esse texto e fiquei louca para ver esse filme, vou já olhar na revistinha da Net para saber qdo vai passar por esses dias!
    beijos com saudades
    Garota Ratatuie

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s