Vazio coração (2013)

No filme Murilo Rosa é um cantor romântico em atrito com o pai embaixador

No filme Murilo Rosa é um cantor romântico em atrito com o pai embaixador

Filme de abertura da 4ª edição do Anápolis Festival de Cinema, o drama Vazio coração marca a estreia do diretor Alberto Araújo na direção de longas-metragens. Na trama, o galã Murilo Rosa vive um cantor de música romântica com relações rompidas com o pai, o embaixador Mário Menezes (Othon Bastos). Rodado no interior de minas, região onde nasceu o diretor, o filme foi alarmado por colegas como uma bomba, mas confesso que já vi coisas piores. Bem piores.

Não é um trabalho de peso, mas também não é nenhuma catástrofe e graças, sobretudo, ao bom elenco que, além de Murilo Rosa e Othon Bastos, traz ainda participações de Lima Duarte, Bete Mendes e Oscar Magrini. Tecnicamente falando a fita é bem sucedida. O ponto fraco do roteiro assinado por Alberto Araújo são os clichês inocentes que surgem quase que em cascatas entre uma cena e outra sob o signo do tema das relações familiares. O enredo, aliás, renderia uma boa novela das oito. O tom meloso excessivo da trama contribui para isso.

Depois de perder a mulher num desastre de avião, o difícil embaixador Mário Menezes dá as costas para o filho Hugo Kari, um astro da música romântica que carrega a culpa pela morte da mãe. Ainda mais porque o pai o acusa sem rodeios, sistematicamente. “Se você não tivesse comprado aquele jatinho, gastando seu dinheiro como se fosse um menino mimado com seu brinquedo, isso Vazio coração 2talvez não tivesse acontecido”, lamenta.

Rabugento, ranheta e radical, ele insiste ainda em dizer que o filho aproveitou a ocasião para vender mais discos ao explorar a dor da perda. Com a desculpa de convidar o coroa para o seu casamento, Hugo Kari resolve por fim a um silêncio de quatro anos, mas a empreitada não será nada fácil. “Continua tentando”, aconselha a mulher grávida, esperançosa.

Com belas imagens do interior de Minas Gerais, Vazio coração se mostra desagradável quando faz propaganda descarada da cidade de Araxá (MG), sobretudo do Grande Hotel Termas de Araxá, quase um personagem na trama. Nascido em Brasília, mas filho de pais mineiros e goiano, Murilo Rosa mostra que, além de bom ator, sabe cantar direitinho, inclusive tocando violão em cena. O galã só tem que mudar de repertório e estilo.

O grande ator Othon Bastos esteve na cidade prestigiando o festival, evento onde foi homenageado. Bastante emocionado citou o ator britânico Peter O’Toole ao falar sobre o reconhecimento do público. “Ser bem-vindo é o melhor aplauso!”, disse. Falando sobre o filme e a tensão em que o seu personagem vive com o filho, lembrou que todo pai quer que o filho segue uma carreira que o orgulhe, que dê sequência ao seu legado, o que não tem acontecido frequentemente, daí o atrito, o choque entre gerações. “É um desejo cada vez mais difícil de acontecer nos dias de hoje”, observou.

* Este texto foi escrito ao som de: Vida (Fábio Jr. – 1988)

Vida

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s