Juan e Evita (2011)

Filme retrata período em que ambos nem eram os grandes ídolos da América Latina que se tornariam

Filme retrata período em que ambos nem eram os grandes ídolos da América Latina que se tornariam

Grande heroína do povo argentino, Evita Perón (1919 – 1952), conhecida mundialmente como a mãe dos pobres, foi uma dessas personalidades míticas latino-americanas que habita o inconsciente coletivo de milhares de pessoas com a força da alma populista. Mesmo aqueles que não têm uma noção clara de quem foi ela, sobretudo para os Hermanos, há de vislumbrar um esgar de respeito. Bem, parte da vida dessa grande mulher poderá ser conferida no drama, Juan e Evita – Uma história de amor, em cartaz em Brasília.

No filme dirigido pela cineasta, bailarina e coreógrafa Paula de Luque, a relação Eva com o estadista Juan Domingo Perón, é mostrada de forma emotiva. Lançado na Argentina em 2011, só agora o filme chega ao Brasil e tem conquistado o público pela simplicidade singela com que expõe a intimidade desses dois grandes ídolos da América Latina.

A história, dividida em três partes, percorre o período de um ano e meio entre 1944 e meados de 1945, recorte que abrange com intensidade o início da relação amorosa entre uma jovem atriz em ascensão e um coronel do exército prestes a se tornar vice-presidente de seu país e ministro do trabalho. Ela, ainda de cabelos pretos e um tanto quanto tímida, ainda sujeita à condição paternalista do amante. Ele, um experiente e carismático militar cercado de traidores, mas querido das massas e com o destino rumo ao poder incerto.

Juan e Evita 3“Não vou dizer adeus, mas até sempre”, gostava Perón de terminar assim, seus discursos, com caliente fervor.

A sutileza do roteiro da diretora Paula de Luque – baseado em obra homônima escrita por Jorge Coscia -, está em agregar fatos históricos e ficção com elemento narrativo poético, como mostra um dos momentos-clímax da fita, quando imagens documentais em preto e branco invadem o colorido da fantasia. Outro ponto positivo do filme é o fato de trazer à baila um período da vida de Evita e Perón um tanto quanto obscuro – pelo menos para nós brasileiros -, numa época em que eles não eram tratados ainda como ídolos da massa e nem sabiam que iriam chegar aonde chegaram.

“O meu filme fala de uma Eva anterior a que nós conhecemos. A emoção está no amor. Acredito que Juan e Evita emociona por eles ainda não saberem bem do que se trata esse relacionamento, nem no que isso se tornaria para eles”, me disse por e-mail a diretora Paula de Luque, em entrevista que fiz para o site Meiaum. (Confira entrevista completa aqui). “Eles não são tratados como dois heróis latino-americanos e sim como um homem e uma mulher. Ambos com suas misérias e suas nobrezas, seus amores e ódios, seus fracassos e como eles se sobrepõem a isso”, destacou a jovem cineasta, que também dirige o Festival Internacional Unasur Cine, mostra que reúne produções da América do Sul.

Além da impecável direção de arte e reconstituição de época deslumbrante, Juan e Evita nos brinda ainda com a simpática atuações de Osmar Núñez e Julieta Díaz, ambos nos papéis-título. Aliás, a verossimilhança dos dois atores com os seus personagens baseados na vida real é incrível, sobretudo a dele.

Contudo, o que me ficou na memória do filme foi um detalhe histórico, diria que até político, que aparentemente não tem nada a ver com os personagens do filme. É o seguinte, como a trajetória de Domingo Perón é parecida com a de Getúlio Vargas. Pior, como a trajetória de ambos é similar a de muitos estadistas latino-americanos do século passado.

* Este texto foi escrito ao som de: Tango Gardel (Carlos Gardel – 2013)

Carlos Gardel

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s